UM PAI EXEMPLAR

09/04/2014 09:52

Nosso modelo de vida é Jesus Cristo! Entretanto, carecemos de referencias de santidade em nossa vida. Esses referenciais humanos nos ajudam a sermos pessoas melhores. No que diz respeito à vivência como pai, carecemos profundamente de exemplos norteadores de como um pai segundo o coração de Deus deve se portar. A Bíblia nos relata acerca de um homem chamado Jó, cidadão de uma localidade chamada Uz, cuja vivência em sociedade era pautada pela integridade e retidão. Ele era um homem temente a Deus e que se desviava do mal. Seus atributos pessoais são enaltecidos pelo autor bíblico antes da menção de suas propriedades, posses e bens. Creio que há algo de intencional nesse fato, pois algumas pessoas acham que ter é mai importante do que ser. Eu quero enfatizar que caráter vem antes do que riqueza e fama. O próprio Senhor elogia a forma de vida de Jó, diante do seu maior opositor: Satanás (Veja relato completo no primeiro capítulo do livro de Jó).

 

 O que quero destacar por ora é o exemplo que Jó nos oferece na qualidade de pai. Diz o autor sagrado: Decorrido o turno de dias de seus banquetes, chamava Jó a seus filhos e os santificava; levantava de madrugada, e oferecia holocaustos segundo o número de todos eles, pois dizia: Talvez tenham pecado os meus filhos, e blasfemado contra Deus em seu coração. Assim o fazia Jó continuamente (Jó 1.5). Creio que nos dias em que vivemos, o exemplo de Jó é altamente desafiador para nós, na qualidade de pais, pois na sociedade consumista ou materialista a função de pai tem sido relegada à de provedor apenas. E a Bíblia nos mostra que há mais para ser observado do que tão somente isso. O convívio familiar de Jó lança alguns desafios:

 

1. Empenho de criar uma família feliz

Jó tinha uma família feliz. Ele tinha esposa, sete filhos e três filhas. Eles formavam uma unidade familiar feliz. Para a mentalidade oriental, mormente hebraica, Jó tinha todas as indicações da aprovação divina, pois o caráter de um homem, seu valor na sociedade, era medido pelo número de seus descendentes. Realmente, o maior tesouro de um homem são os seus filhos. Os filhos são herança do Senhor, o fruto do ventre seu galardão (Salmo 127.3). Como Jó era um homem extremamente abastado, sua família vivia livre das preocupações básicas que a maioria das famílias tem. A casa de Jó era uma casa livre de preocupações, com uma economia estável e em perfeição de saúde. Creio que esse seja um dos nossos grandes desafios em dias de instabilidade econômica e ganhos incompatíveis com o suprimento das necessidades básicas: criar uma família feliz e livre de ansiedade. O pai tem a função básica de ser o gerenciador de recursos que satisfaçam os anseios da família. A felicidade não obtida através da fartura, mas sim da forma como esse pai irá gerenciar os seus recursos dentro da família, no sentido de promover estabilidade emocional, o que irá desencadear a tão sonhada felicidade familiar. Minha família é uma família feliz, mesmo com recursos limitados. O diferencial está na forma como encaramos o dinheiro e no que verdadeiramente o aplicamos. Nós não o gastamos em futilidades, mas naquilo que gerará alegria para todos dentro de casa.

 

2. Empenho de criar filhos que vivam em paz

O autor sagrado informa que os filhos de Jó viviam em paz uns com os outros (Jó 1.4). Eles não brigavam, mas se visitavam constantemente. Cada um deles fazia banquetes, cada um no seu devido dia, e os irmãos eram convidados a freqüentarem suas casas para celebrarem com alegria. Eles usufruíam de prazeres lícitos. Os filhos de Jó sabiam como se divertir de forma saudável. Alguns estudiosos querem sugerir que o motivo da queda de Jó e a consequente morte de seus filhos tenha sido por causa do seu pecado. Não é possível afirmar com certeza aquilo que a Bíblia não fala com clareza. Não creio que isso seja verdade. Fato é que o texto evidencia que os irmãos se visitavam. Visitar um irmão é uma bênção. Para a mentalidade da época, não havia maior intimidade entre pessoas do que desfrutarem de uma refeição conjunta. E eles sabiam aproveitar disso com maestria. O que vemos hoje são irmãos que se odeiam, que não se suportam, que não se visitam e que nutrem em seus corações ressentimentos por causa de divisão de herança. Muitos litígios e divergências de opiniões são cultivados, elevando verdadeiras trincheiras por gerações. Creio que seja esse um dos nossos maiores desafios: criar filhos com uma mentalidade perdoadora e que se empenhem por viver em paz uns com os outros. O exemplo parte sempre do pai.

 

3. Empenho em promover o bem-estar espiritual dos filhos

Jó era um homem rico. Entretanto, não permitiu que suas posses ou riquezas o desviassem para a idolatria e nem, tampouco, permitiu que o cuidado com os bens tirasse o foco do primordial, que era sua família. Jó nos prova que um homem espiritual não tem dificuldades para manusear dinheiro, poder, prestígio ou fama. Ele sabe muito bem lidar com isso sem se corromper. Jó era o sacerdote do lar. Sua preocupação era com o bem-estar espiritual dos seus filhos. Ele oferecia sacrifícios continuamente por cada um deles, Certamente era ago dispendioso em todos os sentidos, pois os sacrifícios envolviam a morte de animais e a consequente aspersão do seu sangue, para que a purificação dos pecados pudesse ser levada a efeito. Envolvia matar animais de sua propriedade. Envolvia tempo, pois os sacrifícios eram feitos de madrugada. Leve em conta que eram 10 filhos e você verá quanto tempo ele dedicava à sua santificação. Hoje, há pais que negligenciam totalmente o fato de que eles são os responsáveis pela santificação dos seus filhos. Os pais devem velar pala vida espiritual dos filhos, com a diferença de que hoje não é mais necessário o oferecimento de sacrifícios e nem de derramamento de sangue, visto que Jesus já fez o sacrifico único e irrepetível na cruz do Calvário. Eles apenas precisam orar por eles diariamente. Exercer o sacerdócio do lar é tarefa do pai, ainda que o movimento feminista insista em mudanças nessa área. Deus estabeleceu assim na Palavra. E é assim que devemos agir. Precisamos cuidar dos nossos filhos. Precisamos orar por eles todos os dias. É necessário jejuar e santificá-los mediante a oração e mediante o ensino dos princípios imutáveis da Bíblia Sagrada. Nossa família é o nosso bem maior!

—————

Voltar