TIPOS E ESTRUTURA DO SERMÃO

25/10/2012 14:10

 

O sermão possui os seguintes propósitos: Evangelístico, Devocional, Doutrinário, Consagracional, Ético ou Moral, Cívico. Os dois primeiros devem existir em todos os sermões.

Para atingir a estes propósitos o sermão pode ser de três tipos.

1.                Temático, tópico ou de assunto: É derivado de um tema cuja divisão depende do assunto. Ele dá unidade ao sermão, proporciona criatividade, porém exige amplo conhecimento do assunto.

2.                Expositivo: Fará uma exegese do texto, buscando sua verdade. Estude cada porção do texto. Cuidado para não ser monótono.

3.                Textual: A divisão do tema é tirado do próprio texto.

Estrutura do Sermão

1.                Texto Bíblico: Todo sermão deve ter base bíblica. Esta base é o texto escolhido. Ele dá autoridade ao tema. Também evita o passeio bíblico. Deve ser apropriado ao tema proposto e específico. Deve conter a idéia do sermão. Evite textos complexos. Deve ser completo e sem mutilações ou montagens. A interpretação não deve ser forçada.

2.                Tema do Sermão: É a idéia central, o assunto, a matéria que iremos falar. Pode ser um título, sem verbo, ou uma proposição, com verbo. O tema deve possuir objetividade, vitalidade e pertinência com o corpo do sermão. Evite números. Ele pode ser extraído do texto por referência direta, e por inferência dedutiva, indutiva ou análoga. Pode ser interrogativo, declarativo, imperativo ou histórico.

3.                Corpo do Sermão: Deve possuir uma estrutura que possa dar movimento e progressividade. Evite sermões tipo bicicleta ergométrica. Como uma refeição deve haver entrada, prato principal e sobremesa. a) Introdução: Ou exórdio, é a entrada, o ponto de contato entre o pregador e o auditório. É o momento em que o auditório se torna dócil, receptivo, atento ou não à mensagem. Deve ser apropriada, interessante, breve, simples e pertinente. Lembre-se que é o momento mais crítico do sermão. Pode ser elaborado do texto, do contexto geo-histórico ou um fato atual, pertinente ao assunto, como ilustração. Evite desculpas, promessas, argumentos e idéias, principalmente piadas e gracejos. Seja educado e simpático. b) O Plano do Sermão: ou o corpo, pode ser uma descrição, uma narração, uma dissertação, uma exposição, uma discussão, uma explanação, uma argumentação, uma tese, uma prédica, uma homilia, etc. Deve obedecer uma ordem natural de pontos e sub-pontos, em ordem ascendente e cronológica. O tópico anterior deve servir de introdução ao próximo. Não se desvie do tema principal. c) Conclusão: ou Peroração. É a última parte do sermão, com uma revisão dos pontos principais. Deve ser dinâmica, clara, positiva e breve. Não introduza novos pensamentos, não use expressões do tipo “finalizando”, ou “vou acabar”. Nunca peça desculpas. Apresente sempre a aplicação prática. Produza convicção no ouvinte. Faça o apelo.

4.                Ilustrações: É o que dá cor e brilho ao sermão. Pode ser bíblica ou não. Caso não seja, use um fato de domínio público. Evite situações pessoais que pode parecer fofoca ou mexerico. Use ilustrações simples, não use detalhes em excesso. Não prolongue para não perder a linha do sermão. Use assuntos que sejam interessantes e facilmente associáveis ao assunto ilustrado. Evite a exaltação e a falsa modéstia. Explore um acontecimento notável, um incidente. Busque as ilustrações na Bíblia, jornais, livros, revistas, acontecimentos do dia-a-dia. Cite a fonte.

5.                Você não está proibido de tirar a idéia de outro pregador, porém evite o plágio. Dê o seu toque pessoal à mensagem, seja você mesmo.

—————

Voltar