Declaração Teológica de Barmen

04/10/2012 12:15

 

Ocorrido entre 29 e 31 de maio de 1934, o Sínodo de Barmen foi um chamado à resistência contra as tentativas do governo nazista de dominar a Igreja na Alemanha, de expulsar os judeus da igreja e de valorizar o ministério e a glorificação de Adolf Hitler como um novo profeta alemão. Com representantes das igrejas Reformadas, Luteranas e Unidas da Alemanha promulgaram uma confissão de fé preparada por Karl Barth (membro da Igreja Reformada da Suíça) e Hans Asmussen (membro da Igreja Luterana da Suécia) que reconheceram e confessaram a autoridade única de Jesus Cristo sobre a Igreja, rejeitando a autoridade eclesiástica instalada pelo Reich de Hitler, para manipular a igreja.

Visando apoio histórico para este resumo, relato o ocorrido um ano antes deste Sínodo quando em 30 de janeiro de 1933, Hitler subia ao poder na Alemanha, e em abril do mesmo ano o movimento religioso da Igreja evangélica dos "Cristãos Alemãs", fundado na Turíngia em 1927 para promover o cristianismo popular, aliou-se ao nacional-socialismo ! O famoso teólogo evangélico Friedrich Gogarten (1887-1967), adere a esse movimento por volta do final do verão de 1933, mas não tarda em abandoná-lo com um documento de protesto de 14 de novembro do mesmo ano, logo após o discurso pronunciado no dia anterior, em Berlim, pelo líder dos Cristãos Alemãs, Dr. Reinhold Krauser, que propunha desjudaizar o cristianismo, eliminando o Antigo Testamento, a moral judaica e a teologia do rabino Paulo .

Gogarten foi acusado de Ter sido o teórico dos Cristãos Alemãs, mas tal acusação é infundada: sua adesão – coerente com os princípios formulados em numerosos escritos do período dialético (teologia de Barthiana), que o levava a soldar teologia e política e a privilegiar o tema autoridade – durou no máximo três meses e foi prontamente retirada assim que ficou claro que o movimento, em nome do nacional-socialismo alemão, estava abandonando o fundamento bíblico em que se baseia a igreja.

Dois anos antes, profeticamente, numa palestra em 31 de janeiro de 1931, Barth afirmou em "A necessidade da igreja evangélica", pois a igreja evangélica é uma igreja sob a cruz, e afirmou ser insalubre uma teologia que parece estar, na verdade, com vergonha do evangelho, disfarçando-o com enfeites, dando por ele desculpas e explicações, e assimilando as categorias contemporâneas da filosofia e das ciências humanas, um caminho que Barth mais tarde, perto do Sínodo de referência deste resumo, acusaria ter sido parcialmente responsável por Ter levado a igreja alemã ao seu apoio às políticas de guerra do governo Nazista de Hitler.

Barth tinha certeza de que devíamos temer apenas a Deus e não o homem, por isso foi verdadeiro em suas declarações contra o partido nazista, sabia que a igreja estava vendida para satanás e o "lobista" era o Hitler. Junto com Bonhoeffer, Barth sabia que prestaria conta apenas a Deus e não aos homens. A única coisa que o Nazismo poderia fazer era matá-los. Barth chegou a usar até o texto do Vaticano II com sua antropologia de valorização do homem para que o povo alemão não aceitassem tanto o Hitler como o salvador.

Barth pregava que a revelação de Deus era de Cima para Baixo e não de Baixo para Cima, ou seja, provém da Graça de Deus. Ele deixou claro que a Graça de Deus não vinha pelas obras de Deus e nem pela dos homens. Com isso, o duelo contra o Nazismo ficou forte, pois o Reich era a implantação do Reino de Deus na terra, as obras do partido nacional-socialista e a nova igreja nazista era a própria manifestação de Deus.

Talvez, o principal motivo para que Barth escrevesse seu livro a "Carta aos Romanos" era, não apenas por aparentemente ter sido feito antes dos evangelhos, mas, para provar que não poderíamos levar o capítulo 13 do livro de Romanos ao pé da letra... O intelecto humano é suficiente para entender Deus como um todo (desespero existencial e fé num Deus diferente dos homens). Se trouxermos Deus ao reducionismo - desmembramos de sua complexidade para entendê-lo numa simplicidade – Aí, Deus não é Deus, é objeto da ciência e vira objeto analisado.

Como não ceder a sedução dos discursos de Hitler ? Ele falava que era o enviado de Deus para salvar as igrejas, institucionalizar uma raça mais legitima, desprovida de problemas carnais. Para os protestantes, Hitler falava para atendermos o que está escrito em Romanos 13 e para os Católicos falava que estava organizando a unificação das igrejas... Para o ocultista fazia invocações demoníacas para abençoar os canhões... Mas, homens como Barth e Bonhoeffer não se renderam e dispararam contra Hitler que a revelação de Deus era apenas o Senhor Jesus e vivo !! Nunca as obras nazistas...

Portanto, é justificado a chamada do Sínodo aos cristãos alemãs, onde transcrevo um trecho da Declaração que diz –

"Não vos deixeis enganar pelos boatos de que pretendemos opor-nos à unidade da nação alemã!

Não deis ouvidos aos sedutores que pervertem nossas intenções, dando a impressão de que desejaríamos quebrar a unidade da Igreja Evangélica Alemã ou abandonar as Confissões dos Pais da Igreja.

Examinai os espíritos, a ver se eles são de Deus! Provai também as palavras do Sínodo Confessional da Igreja Evangélica Alemã para testar se estão conformes com a Sagrada Escritura e com a Confissão dos Pais. Se achardes que nossas palavras se opõem à Escritura, então não nos deis atenção! Mas se julgardes que nossa posição está conforme com a Escritura, então não permitais que o medo ou a tentação vos impeça de trilhar conosco a vereda da fé e da obediência à Palavra de Deus, a fim de que o povo de Deus tenha um só pensamento na terra e que nós experimentemos pela fé aquilo que ele mesmo disse: «Nunca vos deixarei, nem vos abandonarei». Por esse motivo, «não temais, ó pequenino rebanho, porque vosso Pai se agradou em dar-vos o seu reino»."

Alguns conceitos chaves...

Com a Declaração de Barmen os teólogos que participaram junto com Barth, foram além da teologia... relacionaram-se com uma posição social.

Fato inédito acontecia, pois o movimento filosófico da época era dos pressupostos do iluminismo, a razão acima de qualquer coisa... O palco da dialética existencialista para explicar o cristianismo estava pronto e a teologia liberal já acontecia... O advento do Nazismo fez com que os teólogos descessem de seus pedestais e, por um período curto, engajam numa empreitada social.

Como desafios importantes, temos:

·                      

·                     Com que base poderiam ver os demônios por trás de Hitler.

·                     Como vencer a persuasão e a venda da igreja de Cristo para Satanás.

·                     Como justificar com versículos que o Sínodo estava certo e ao mesmo tempo fazer com que o povo de Deus não respeite o capítulo 13 de Romanos.

Um manifesto com o porte e com a causa deste... quem tem coragem de divergir?

O problema que vejo é que sabemos muito pouco sobre este Sínodo. Incrivelmente, a INTERNET e a globalização não conseguiram mostrar os bastidores deste Sínodo ainda, e, o que aconteceu com os teólogos desta confissão é obscuro...

Algumas questões...

A ingenuidade de Bultmann foi arma de defesa ou teologismo liberal mesmo ?

Bultmann e a teologia liberal criaram espaço para o crescimento do ocultismo na Europa com a desmitologização?

De que forma foi a participação americana no Sínodo ?

No episódio de Pearl Habor os americanos remodelaram seus campos de concentração sulista (fazendas da escravatura) para manter preso os orientais que encontravam pela frente e, não teve nada de advertência dos teólogos ?

Como ficavam os esclarecimentos sobre os campos de concentração ?

E a América do Sul ? Estava do lado de Hitler ?



Leia a Declaração na íntegra...

                   I.  

                 II. Um apelo às congregações evangélicas e aos cristãos na Alemanha

O Sínodo Confessional da Igreja Evangélica Alemã reuniu-se na cidade de Barmen, de 29 a 31 de Maio de 1934. Representantes de todas as Igrejas Confessionais alemãs uniram-se unanimemente numa confissão do único Senhor da Igreja una, santa e apostólica. Fiéis à sua confissão de fé, membros das Igrejas Luterana, Reformada e Unida procuraram redigir uma mensagem comum para ir ao encontro das necessidades e tentação da Igreja em nossos dias. Com gratidão a Deus, estão convictos de que lhes foi concedida uma palavra comum para dizerem. Não foi sua intenção fundar uma nova Igreja ou formar uma união de Igrejas. Nada esteve tão longe dos seus pensamentos do que a abolição do «status» confessional das nossas Igrejas. Pelo contrário, sua intenção era resistir com fé e unanimidade à destruição da Confissão de Fé, e, por conseguinte, da Igreja Evangélica na Alemanha. Em oposição às tentativas de estabelecer a unidade da Igreja Evangélica Alemã mediante uma falsa doutrina, fazendo uso da fórça e de práticas insinceras, o Sínodo Confessional insiste que a unidade das Igrejas Evangélicas na Alemanha só poderá provir da Palavra de Deus na fé concedida pelo Espírito Santo. Somente assim a Igreja se renova.

O Sínodo Confessional, portanto, conclama as congregações para se unirem em oração e coesas cerrarem fileiras em torno dos pastores e mestres que permanecem fiéis às Confissões.

Não vos deixeis enganar pelos boatos de que pretendemos opor-nos à unidade da nação alemã!

Não deis ouvidos aos sedutores que pervertem nossas intenções, dando a impressão de que desejaríamos quebrar a unidade da Igreja Evangélica Alemã ou abandonar as Confissões dos Pais da Igreja.

Examinai os espíritos, a ver se eles são de Deus! Provai também as palavras do Sínodo Confessional da Igreja Evangélica Alemã para testar se estão conformes com a Sagrada Escritura e com a Confissão dos Pais. Se achardes que nossas palavras se opõem à Escritura, então não nos deis atenção! Mas se julgardes que nossa posição está conforme com a Escritura, então não permitais que o medo ou a tentação vos impeça de trilhar connosco a vereda da fé e da obediência à Palavra de Deus, a fim de que o povo de Deus tenha um só pensamento na terra e que nós experimentemos pela fé aquilo que ele mesmo disse: «Nunca vos deixarei, nem vos abandonarei». Por esse motivo, «não temais, ó pequenino rebanho, porque vosso Pai se agradou em dar-vos o seu reino».

              III. Declaração teológica a respeito da situação actual da Igreja Evangélica Alemã

Conforme as palavras iniciais da sua Constituição, datada de 11 de Julho de 1933, a Igreja Evangélica Alemã é uma federação de Igrejas Confessionais, oriundas da Reforma, gozando de direitos iguais. O fundamento teológico para a unificação dessas Igrejas se acha nos artigos 1º e 2º da Constituição da Igreja Evangélica Alemã, reconhecida pelo Governo do Reich em 14 de Julho de 1933.

Artigo 1º: A base inviolável da Igreja Evangélica Alemã é o Evangelho de Jesus Cristo, conforme nos é atestado nas Sagradas Escrituras e trazido novamente à luz nas Confissões da Reforma. Todos os poderes necessários à Igreja para cumprir sua missão por ele são determinados e limitados.

Artigo 2º: A Igreja Evangélica Alemã é dividida em igrejas regionais (Landeskirchen).

Nós, os representantes das Igrejas Luterana, Reformada e Unida, dos Sínodos livres, das assembleias eclesiásticas e organizações paroquiais unidas no Sínodo Confessional da Igreja Evangélica Alemã, declaramos estarmos unidos na base da Igreja Evangélica Alemã como uma federação de Igrejas Confessionais. Unifica-nos a confissão de um só Senhor da Igreja una, santa, católica e apostólica.

Declaramos publicamente nesta Confissão, perante todas as igrejas evangélicas da Alemanha, que aquilo que ela mantém como património comum está em grande perigo que também ameaça a unidade da Igreja Evangélica Alemã. Ela se acha ameaçada pelos métodos de ensino e de acção do partido eclesiástico dominante dos «cristãos alemães» e pela administração da Igreja conduzido por ele. Esses métodos se vêm tornando cada vez mais salientes neste primeiro ano de existência da Igreja Evangélica Alemã. Essa ameaça reside no facto de que a base teológica da unidade da Igreja Evangélica Alemã tem sido contrariada contínua e sistematicamente e tornada ineficaz por doutrinas estranhas, da parte dos líderes e porta-vozes dos «cristãos alemães», bem como da parte da administração da Igreja. Se tais doutrinas conseguirem impor-se, então, conforme todas as Confissões em vigor em nosso meio, a Igreja deixará de ser Igreja, e a Igreja Evangélica Alemã, como federação de Igrejas Confessionais tornar-se-á intrinsecamente impossível.

Na qualidade de membros das Igrejas Luterana, Reformada e Unida, podemos e devemos falar com uma só voz neste assunto. Precisamente por querermos ser e permanecer fiéis às nossas várias Confissões, não podemos silenciar, pois cremos ter recebido uma mensagem comum para proclamá-la numa época de necessidades e tentações gerais. Depositamos nossa confiança em Deus pelo que isto possa significar para as inter-relações das Igrejas Confessionais.

Face dos erros dos «cristãos alemães» da presente administração da Igreja do Reich, erros que estão assolando a Igreja e, também, rompendo, por esse motivo, a unidade da Igreja Evangélica Alemã, confessamos as seguintes verdades evangélicas:

1.                   

2.                  « Eu sou o caminho e a verdade e a vida. Ninguém pode chegar ao Pai sem ser por mim » (João 14, 6). « Ouçam com atenção: aquele que não entra no curral das ovelhas pela porta, mas entra por outro lado, é ladrão e salteador. . . Eu sou a porta. Aquele que entrar por mim, salva-se. » (João 10, 1 e 9).

Jesus Cristo, como nos é atestado na Sagrada Escritura, é a única Palavra de Deus que devemos ouvir, e em quem devemos confiar e a quem devemos obedecer na vida e na morte.

Rejeitamos a falsa doutrina de que a Igreja teria o dever de reconhecer - além e aparte da Palavra de Deus - ainda outros acontecimentos e poderes, personagens e verdades como fontes da sua pregação e como revelação divina.

3.                  « É por Deus que vocês vivem em união com Cristo Jesus, que se tornou para nós a sabedoria que vem dele, que nos pôs em boas relações com Deus, e nos consagrou a ele e nos libertou do pecado. » (1 Coríntios 1, 30).

Assim como Jesus Cristo é a certeza divina do perdão de todos os nossos pecados, assim e também com a mesma seriedade, é a reivindicação poderosa de Deus sobre toda a nossa existência. Por seu intermédio experimentamos uma jubilosa libertação dos ímpios grilhões deste mundo, para servirmos livremente e com gratidão às suas criaturas.

Rejeitamos a falsa doutrina de que, em nossa existência haveria áreas em que não pertencemos a Jesus Cristo, mas a outros senhores, áreas em que não necessitaríamos da justificação e santificação por meio dele

4.                  « Mas, proclamando a verdade com amor, cresceremos em todos os sentidos, para Cristo, que é a cabeça. É nele que todo o corpo se mantém firmemente unido pelas articulações e de cada uma delas recebe força para ir crescendo em harmonia. » (Efésios 4, 15-16).

A Igreja Cristã é a comunidade dos irmãos, na qual Jesus Cristo age actualmente como o Senhor na Palavra e nos Sacramentos através do Espírito Santo. Como Igreja formada por pecadores justificados, ela deve, num mundo pecador, testemunhar com sua fé, sua obediência, sua mensagem e sua organização que só dele ela é propriedade, que ela vive e deseja viver tão somente da sua consolação e das suas instruções na expectativa da sua vinda.

Rejeitamos a falsa doutrina de que à Igreja seria permitido substituir a forma da sua mensagem e organização, a seu bel prazer ou de acordo com as respectivas convicções ideológicas e políticas reinantes.

5.                  « Como sabem, os que governam os povos têm poder sobre eles e os grandes são os que mandam neles. Mas entre vocês não pode ser assim. Pelo contrário, aquele que quiser ser o mais importante, seja como um criado. » (Mateus 20, 25-26).

A diversidade de funções na Igreja não estabelece o predomínio de uma sobre a outra, mas, antes o exercício do ministério confiado e ordenado a toda a comunidade.

Rejeitamos a falsa doutrina de que a Igreja, desviada deste ministério, poderia dar a si mesma ou permitir que se lhe dessem líderes especiais revestidos de poderes de mando.

6.                  « Tenham temor a Deus, respeitem o rei! » (1 Pedro 2, 17).

A Escritura nos diz que o Estado tem o dever, conforme ordem divina, de zelar pela justiça e pela paz no mundo ainda que não redimido, no qual também vive a Igreja, segundo o padrão de julgamento e capacidade humana com emprego da intimidação e exercício da força. A Igreja reconhece o benefício dessa ordem divina com gratidão e reverência a Deus. Lembra a existência do Reino de Deus, dos mandamentos e da justiça divina, chamando, dessa forma a atenção para a responsabilidade de governantes e governados. Ela confia no poder da Palavra e lhe presta obediência, mediante a qual Deus sustenta todas as coisas.

Rejeitamos a falsa doutrina de que o Estado poderia ultrapassar a sua missão especifica, tornando-se uma directriz única e totalitária da existência humana, podendo também cumprir desse modo, a missão confiada à Igreja.

Rejeitamos a falsa doutrina de que a Igreja poderia e deveria, ultrapassando a sua missão específica, apropriar-se das características, dos deveres e das dignidades estatais, tornando-se assim, ela mesma, um órgão do Estado.

7.                  « Saibam que estarei sempre convosco até ao fim do mundo. » (Mateus 28, 20). « A Palavra de Deus não se deixa acorrentar. » (II Tim 2, 9).

·  A missão da Igreja, na qual repousa sua liberdade, consiste em transmitir a todo o povo - em nome de Cristo e, portanto, a serviço da sua Palavra e da sua obra pela pregação e pelo sacramento - a mensagem da livre graça de Deus.

Rejeitamos a falsa doutrina de que a Igreja, possuída de arrogância humana, poderia colocar a Palavra e a obra do Senhor a serviço de quaisquer desejos, propósitos e planos escolhidos arbitrariamente.

O Sínodo Confessional da Igreja Evangélica Alemã declara ver no reconhecimento destas verdades e na rejeição desses erros, a base teológica indispensável da Igreja Evangélica Alemã na sua qualidade de federação de Igrejas Confessionais. Ele convida a todos os que estiverem aptos a aceitar esta declaração a terem sempre em mente estes princípios teológicos em suas decisões na política eclesiástica. Ele concita a não pouparem esforços para o retorno à unidade da fé, do amor e da esperança. 

—————

Voltar