Capelania

21/09/2012 09:46

 

Capela

Deriva-se do latim expelia, uma «capa». Esse termo foi inicialmente aplicado ao lugar onde São Martinho guardava a sua capa. Veio então a significar um pequeno trecho, uma ala subordinada ao edifício principal, embora contendo o seu próprio altar (que vide). Mas também dava a entender um lugar onde se efetuava adoração particular, à parte da capelania organizada. Assim, os lugares de adoração existentes em lares, escolas e outros lugares fora de uma capelania, receberam esse nome. Em algumas traduções da Biblia, a palavra «capela» aparece em Amos 7:13, para indicar o santuário de Jeroboão, em Betei. Foi ali que aquele monarca estabeleceu o seu culto real ao bezerro de ouro, que veio a tornar-se um culto rival daquele efetuado no templo de Jerusalém (I Reis 12:25-33). Amazias tornou-se o sacerdote desse santuário (Amos 7:10-17).

Capelão

Vem do latim capellanus, «cabo». Dentro do contexto moderno, o termo usualmente refere-se a algum ministro religioso que serve nas forças armadas, visando à orientação espiritual dos homens. Em muitos lugares, ele é um oficial entre as tropas às quais serve. Ê o responsável pela vida religiosa de seus homens, e também atua como conselheiro religioso. Parece que o termo foi aplicado, pela primeira vez, ao padre que tomava conta da capa (cappela) de São Martinho de Tours. Quando desenvolveram-se vários tipos de capela, o oficio de capelão expandiu-se, e alguns capelães passaram a exercer grande poder eclesiástico. Antes da era contemporânea, esse oficio incluía homens nomeados para servir à realeza, à nobreza e a outros clérigos da hierarquia eclesiástica.

Finalmente, os capelães passaram a ser nomeados para servir em quartéis, hospitais, prisões e instituições de educação. A capelania militar é um antigo oficio, com amplas aplicações modernas. O oficio de capelão em hospital é antiqüissimo. Usualmente ele faz parte do pessoal pago do hospital. Os capelães de instituições de ensino usualmente são ministros evangélicos, rabinos ou padres católicos romanos, que tomam conta de uma capela do campus ou de uma fundação religiosa denominacional,. localizada perto do campus. Na sociedade moderna, encontramos o aparecimento dos capelães industriais, Os sacerdotes operários da França servem de exemplo desse conceito. Esses ministram enquanto trabalham, mantendo alguma posição de respeito na indústria onde servem. (AM E).

O Trabalho do Capelão

capelão geralmente se considera uma pessoa ativa, contudo esta atividade intensa geralmente não produz o resultado desejado e nem um trabalho de longo alcance. Isto se dá porque a tarefa do capelão não é tão simples assim. É um trabalho complexo que não se baseia apenas em ações, mas necessita de uma orientação clara, motivação definida, atitude positiva, compreensão, visão panorâmica, planejamento e execução cuidadosa, tudo precedido por uma íntima comunhão com o guia da capelania que é o Espírito Santo e uma capacidade de discernir os limites do seu próprio corpo.

Jesus dedicou tempo às multidões, mas não hesitava em escapar delas por algum tempo para estar com o seu círculo íntimo, ou até mesmo a sós. Ele dedicou tempo para ensinar aqueles que iriam garantir a continuidade do seu trabalho. Jesus estimulou os seus discípulos a atender às multidões em problemas muito acima da capacidade deles muitas vezes se retirando para que eles entendessem a seriedade dos problemas. Também, a seu tempo, os enviou a pregar, a curar e a libertar os oprimidos mediante instruções cuidadosas e claras e depois ao ouvir o relatório deles, ensinava-lhes novas coisas em cima das experiências de cada um.

Paulo agiu de forma parecida pois apesar da sua conversão ser extraordinária, precisou de tempo para ser ensinado e quando entrou no campo estava melhor que o seu mestre. Ele também dedicou-se a ensinar os seus discípulos preparando-os para o trabalho.

Estes dois homens, tiveram uma atividade intensa, porém baseada em idéias claras, sabendo onde queriam chegar e seguindo uma execução inteligente.

Fundamentos para o trabalho do capelão

trabalho do capelão não é baseado em uma tradição religiosa e nem num sistema socio-político-econômico, mas está baseado na própria Palavra de Deus:

Deus está presente e ativo no mundo: Deus criou o mundo e mesmo que não seja visto é nele que “vivemos, movemos e existimos”. O pecado separou o homem de Deus porém Deus não se afastou do homem. Ele ainda tem interesse na Sua obra e por isso ainda não se esqueceu dela. O pecado deu uma nova revelação de Deus pois se na criação vemos a sabedoria e o poder, na redenção foram manifesto o amor, a justiça e a dor divina (Gn 6.6). Por isso o Verbo se fez carne, Deus literalmente habitou entre nós. Quando Ele partiu, veio outro Consolador para ficar conosco e dá-nos a esperança de que o Verbo voltará para que nós estejamos com Ele para sempre. Poucas coisas são tão claras na Bíblia como a presença divina no mundo. Assim o trabalho do capelão é uma solução divina para uma humanidade caída, não nasceu do homem mas de Deus. Quem deseja o trabalho do capelão tem que reconhecer que o seu sentir tem que ser o sentir de Deus, só assim perceberemos quando estamos realizando a obra de Deus ou a obra dos homens.

Há um povo especial no mundo: Deus não atua sozinho, aos anjos não lhes é permitido participar desta obra. Ele precisa do seu povo que foi comprado com Sangue de Cristo. A posição dos crentes é tão importante que se eles se calassem as pedras haveriam de clamar. O objetivo não é exaltar o ego dos seus servos, mas sim fazê-los entender que eles possuem uma função específica: O povo de Deus não vive para crer, e sim para servir. Desta forma a capelania é a principal executora dos planos divinos. Logo a capelania é uma atividade com implicações eternas pois é através dele que Deus reúne os seus filhos para alegrarem-se, sofrerem, trabalharem, triunfarem e desfrutarem juntos de Si.

O povo de Deus necessita de direção: A tarefa é grande e em decorrência necessita de direção. A Bíblia mostra que quando o povo fica sem direção ele perde o rumo pois a pesar de serem homens transformados, o pecado e o mundo fazem com que percam de vista os seus objetivos principais. O cansaço faz com que o homem fuja da luta e busque refúgio em lugar cômodo e seguro. Assim se Jesus é o cabeça e a capelania é o corpo, o ministério é o pescoço pois é ele o vínculo entre Cristo e a capelania para que andem juntos e de forma ordenada. Esta tarefa não é tão simples pois o trabalho de levar o povo a pastagens tranqüilas tem sido confundido com paternalismo e conformismo.

fundamento bíblico para a capelania requer dos mesmos que sejam:

Modelos da capelania,

Visionários, porque sem visão o povo perece,

Dinâmicos, para comprometer a capelania no plano de Deus

Fidelidade à vontade divina

Adequação à realidade em que vivem

Aqui o que importa não é se passaram ou não por uma instituição de ensino, ou se possuem algum título ou ainda se possuem colarinho clerical ou não, O que importa é a convicção da obra e a execução da mesma

Objetivos da Capelania

Muitos capelães não vêem o trabalho crescer, apesar dos esforços, porque o seu trabalho carece de orientação, por isso é tão importante que cada capelão conheça a fundo os objetivos de sua tarefa:

 

Dar a capelania um lugar em sua comunidade

A capelania pode ou não ter um templo, pode estar localizada no centro da cidade ou na periferia, o importante é que ela seja conhecida e que as referências que a comunidade não cristã tenha de seu testemunho e de sua presença sejam favoráveis.

É possível até que a capelania não ser bem vista por apresentar um modo de vida diferente, porém as atitudes dos crentes, suas normas de vida, sua harmonia interna e a vida cotidiana tem que ser luz, e mais cedo ou mais tarde irá conquistar a sua comunidade.

capelanias que vivem em desordem, disputas, atacando a maneira de ser das pessoas, não participantes da busca do bem-estar coletivo, que ataca outras capelanias, mesmo que tenha um templo suntuoso está arriscando o seu lugar na comunidade. Esta capelania destrói a possibilidade de desenvolvimento e ampliação do seu trabalho, o seu futuro está minado.

A capelania não pode ser um tumor estranho na comunidade mas tem que ser parte integrante dela, levando a mesma a entender e aceitar a sua posição de luz e sal. O capelão e a capelania deve ser um livro aberto para a comunidade.

Se existirem mais de uma capelania, principalmente evangélicas, a situação deve ser bem manejada. Se os capelães ao invés de manterem um relacionamento sadio, começarem a se agredir mutuamente, muitos usando até o microfone, as pessoas da comunidade criticarão esta atitude e rejeitará a mensagem. Estas atitudes prejudicam a própria capelania.

Buscar o seu lugar na comunidade é o que o Novo Testamento chama de “achar graça” ou “ ter o favor do povo”. E é isto que permite a cada dia o Senhor acrescentar à capelania os que hão de ser salvos.

Reconciliar e unir as pessoas com Deus

Este objetivo é o mais profundo desejo de Deus. Ele quer que o ser humano tenha um contato íntimo com Ele. Assim Deus quer que as pessoas saibam que Ele existe, que creiam nEle, que O busquem, O encontrem, o sigam e que vivam eternamente com Ele.

A capelania então não precisa andar a cata de tarefas ou missões porque estas já foram traçadas por Deus, logo o capelão deve apontar de maneira clara e sem rodeios nesta direção, e este objetivo se expressa na obra de Evangelização. Daí o trabalho do capelão deve levar a capelania para esta direção através da motivação, do treinamento e da ação propriamente dita.

Não falo das campanhas evangelísticas, pois estas são temporárias, falo de uma atividade permanente que vise a propagação do Evangelho. As campanhas só funcionam quando elas são o final de um processo e não sendo usadas como deflagradoras. O Capelão deve ser o primeiro a entender esta função sem dar desculpas, assim a capelania irá alcançar este objetivo de maneira mais rápida

Formar e Aperfeiçoar os Cristãos.

A medida do cristão é o próprio Cristo. Assim todos devem desejar chegar lá, ou seja o trabalho do Capelão é fazer com que suas ovelhas sejam perfeitas.

Geralmente damos muito ênfase à conversão e descuidamos de todo o processo seguinte. Este é o motivo de muitos cristãos não crescerem, não colaborarem. É por isso que muitos cristãos ainda arrastam pecados e costumes da velha vida. Abandonam algumas coisas exteriores, mas conservam as interiores como orgulho, ressentimentos, fofocas, rebeldia, preguiça e que são piores do que as visíveis. Isto revela a falta de compreensão do que é a vida cristã, ela começa na conversão, passa belo batismo com Espírito Santo mas deve seguir com um processo de amadurecimento e aperfeiçoamento.

Enquanto o capelão não iniciar este tipo de trabalho a capelania continuará mancando pois eles acreditam que a conversão é o fim quando na realidade é o começo. Aceitar a Jesus é apenas passar para o outro lado da porta, mas a partir daí existe todo um caminho a ser percorrido.

Este é o caso da continuidade do trabalho do capelão, existem capelanias que mudam os capelães com frequência porém esta prática faz com que quando o capelão comece a conhecer o rebanho ele já esteja sendo retirado para que o novo capelão reinicie todo o processo e assim a capelania nunca cresce. Esta rotatividade cria uma vida de aparência e um costume de “passar o tempo” até que seja o momento de mudar novamente.

A capelania é o que o capelão é. Não digo o que ele prega, mas o que ele vive. Por isso o objetivo de melhorar deve partir do próprio capelão. Ele deve ser o exemplo, ele deve ser parecido com Jesus.

Amadurecer Relacionamentos

A capelania é muito mais do que um grupo de gente reunidas sobre o mesmo teto, um grupo de cristãos que não desenvolve relacionamento duradouro entre si não passa de um engano e serve de escândalo para o mundo. E este é o motivo de que muitas capelanias abrem e fecham.

povo deve ser ensinado a relacionar-se com Deus, mas também uns com os outros como comunidade para trabalharem juntas para Deus e para as pessoas. Precisam aprender a relacionarem-se com o ministério da capelania e sujeitar-se a ele. Relacionarem-se com os vizinhos, os colegas de estudo e trabalho, com amigos e familiares.

Existem cultos muito bonitos porém o povo entra e sai sem se importar com quem está ao lado, adora-se a Deus sem manifestá-la na comunhão entre os irmãos. Basta olharmos para a frieza da Ceia do Senhor.

Este também é campo do trabalho do capelão: Aperfeiçoar o relacionamento entre os irmãos.

Organizar e descobrir capacidades

capelão não está lá para fazer todo o trabalho, mas para aperfeiçoar e amadurecer os irmãos para que eles façam a obra de Deus. Quando o capelão reclama de que na capelania ele faz tudo, a culpa não é do povo! É ele quem motiva, orienta, treina e mobiliza o seu rebanho.

Campo do Trabalho do Capelão

Pessoas

trabalho do capelão é dirigido a pessoas com nome, sobrenome, história pessoal, cultura, ambições problemas, habilidades e pecados. O capelão precisa conhecer estes indivíduos. É possível até que algumas pessoas estejam possessas e portanto necessitando de libertação. É preciso faze-las entender o plano de Deus, guiando-as ao arrependimento e a um processo de mudança. Elas precisarão de ajuda em seus problemas emocionais, mentais, físicos, sociais, culturais, familiares e econômicos. O capelão não pede vê-los apenas como almas, mas precisa enxerga-los como pessoas que possuem necessidades, habilidades e possibilidades próprias, ou seja as pessoas exigem uma abordagem integral. O trabalho é realizado com seres humanos reais, alguns irão responder de maneira positiva, outros com certa ou total indiferença e, outros, ainda, com hostilidade. Alguns ao receberem pão, respondem com pancada. Estas pessoas não são apenas as da capelania, mas a todas as que integram a comunidade onde a capelania vive.

capelão não pode sentir-se um vencedor, porém não pode sentir desânimo, amargura ou ressentimentos. Lembre-se que trabalhando com vidas humanas, estamos preparando vidas para a eternidade. Assim a capacidade e a experiência do capelão para o seu trabalho, ou seja, ele é chamado a aprofundar-se na natureza humana, dia e noite, amadurecendo ele mesmo o seu trato com o ser humano.

A capelania local

Como vimos a capelania não pode ser vista como um aglomerado de pessoas que se reúnem para louvar a Deus e ouvir Sua Palavra. Ela é muito mais que isso, é um grupo humano especial e como tal possui relacionamentos, objetivos comuns, tendo de criar seus próprios meios para alcançar os seus fins, recolhendo e administrando fundos, desenvolvendo órgãos internos que sejam necessários. Assim exercer a capelania é uma tarefa de organização e administração.

A administração correta, sob a orientação do Espírito Santo não ofende a Deus, antes é algo que beneficia a sua obra. É claro que não podemos substituir a ação do Espírito pela administração, mas também não podemos simplesmente deixar as coisas acontecerem.

Denominação

Ainda que a denominação seja um defeito do corpo de Cristo, é necessário que  atitude crítica contra ela seja sadia.

A capelania local não pode ser uma ilha, nem um pequeno reino. Assim a capelania deve levar em conta os anseios da denominação como um todo pois a capelania una e aqui o trabalho do capelão é de suma importância.

Por outro lado não podemos transformar a denominação em um ídolo nem transformá-la no círculo único da capelania. Tenha em mente que a denominação é um acidente da história e ela não embeleza a capelania. Assim o capelão deve ter em mente que dentro da denominação existe um caminho mais amplo para o próprio capelão e ele deve ter isso em mente. O capelão precisa ampliar e aperfeiçoar o seu relacionamento dentro da denominação como um todo.

Outras denominações

A capelania é uma, independente das denominações existentes, ou seja a capelania é mais do que a capelania local, porém é mais do que a denominação, também. Nas diversas denominações existem erros a serem copiados e erros a serem evitados.

Não podemos colocar a nossa denominação acima das outras, menosprezando e sendo hostil aos outros líderes eclesiásticos apenas por não pertencerem à nossa denominação. Os capelães deve ser o elo de união, respeito, estima e cooperação através de evangelismos em conjunto e outras atividades. Em cidades pequenas, os problemas entre denominações podem causar mais escândalos do que luz para os não crentes.

A Comunidade

capelão precisa considerar a comunidade onde a capelania está localizada: crianças abandonadas, mulheres em situações difíceis, enfermos, grupos marginalizados. A capelania local pode ser um fator importante na amenização do sofrimento humano. A capelania pertence a um bairro, a um estado a uma nação, e mesmo que por sua fidelidade a Jesus, não possa integrar-se em todos os aspectos culturais, deve reconhecer o seu papel na comunidade e que pode dar a sua contribuição ao país. A capelania tem que integrar-se à pátria e contribuir com ela de alguma forma.

—————

Voltar